sábado, 5 de abril de 2008

Textos de nossas peças teatrais

TÍTULO: ISSO É RACISMO.



DEDICATÓRIA

Dedicamos esta peça teatral à memória do poeta paraense Bruno de Menezes, Mestre na Arte e no humanismo preto, popular; a todas as vítimas do racismo e aos que lutam para o fim desta doença moral.


PRÓLOGO

Mestre de Cerimônia - Há muitas estórias a contar. Muitas delas acontecem todo dia, a todo instante, perto de nós, mas passam despercebidas. Bem escondida em meio à realidade, existe uma doença do espírito. Vamos descobrir qual é.

CENA I

MÚSICA NEGRO DRAMA, DOS RACIONAIS MC’S

Entra um rapaz negro, vestido com terno e gravata, sapatos lustrosos. Movimenta-se com sutileza e firmemente. Olha a platéia de modo sério e sereno. Em seguida, vê um mendigo branco e loiro, que estende o chapéu desgastado em sua direção.

Ele lhe dá esmola, e o pedinte, então, agradece.

Pedinte – Valeu, Doutor!

O rapaz faz leve cumprimento e sai.

Entra uma Senhora negra, trajada com vestido longo, andando distraída pela rua, quando um menino branco passa correndo e rouba sua bolsa. Ela grita.

Senhora Negra – Branquinho! Pivete!

Chega o Policial.

Policial – O que foi, Madame?

SN – Ora, eu fui roubada.

P – Como era o marginal?

SN – Um moleque branquelo...

Sai a Senhora. O Policial começa a procurar o delinqüente. De repente, pergunta à platéia.

P – Ei! Vocês viram um indivíduo com pinta de marginal por aqui? Aquele meliante roubou na cara-dura uma senhora de respeito, na saída do banco.

Aparece novamente o rapaz negro.

RN – Olá, Sargento, muito trabalho?

P – Só um figura que tá fazendo terror aqui no pedaço. Mas, eu acerto ele. Não viu ninguém suspeito por aí?

RN – Olha, para falar a verdade, eu avistei um rapaz não muito confiável. Ele foi por ali.

P – Valeu, Doutor.

RN – Disponha. Boa noite.

Entra um Menino Branco que até então não havia aparecido em cena.

P – Ei! Tu aí, malandro!

MB – Ta falando comigo, autoridade?

P – Tem outro malandro na área?

MB – Se quer saber, eu estudo, valeu, aqui em Outeiro mesmo.

P – Vai passar a lição na cela, brancão.

MB – Ei! Qual é? Não fiz nada, meu!

P – Cala a boca, seu branco!

INTERVALO

Entra o Mestre de cerimônia, meio negro, meio branco, trazendo pelo braço um senhor branco.

MC – Este cidadão é bastante conhecido, está muito presente em nosso dia-a-dia. Apresento-lhes o Cidadão branco. Detalhe, ele não é racista.

CB - Racismo não existe mais, isso foi só na época da escravidão. É isso aí, nesse país todos são tratados como iguais, tá na constituição. O preto já pode fazer coisa de branco, não é mais como antes.

MC – Este, senhoras e senhores, é o cidadão negro, personalidade antes alegre. Mas, que anda agora falando sério.

CN – A escravidão não nasceu com ninguém, foi criada pelo preconceito e pela maldade do homem. Negro não é sinônimo de escravo. A escravidão é filha do racismo, e não o contrário, e ele permanece até hoje.

CONTINUA MÚSICA NEGRO DRAMA, DOS RACIONAIS MC’S

CENA II

Entra um rapaz branco. Numa mesa, uma secretária negra, de cabelos étnicos.

Secretária – Diga.

RB – Eu vim pelo anúncio...

SN– (Interrompendo-o) – A vaga já foi preenchida!

RB – Mas, eu cheguei às seis da manhã, eu fui o primeiro a chegar...

SN – Só que não tem mais vaga.

RB - E esse pessoal aí na fila?

SN – Estão retornando para entrevista.

RB – Mas, o anúncio?

SN – Escuta, ô, rapazinho, o anúncio diz boa aparência, entendeu, é pra tratar com cliente VIP, você não serve.

RB – Mas, eu tenho experiência.

SN – Não posso fazer nada.

CAPOEIRA

DIA VAI,

DIA VEM,

E O NEGRO CONTINUA SEM APARECER.

INVISÍVEIS SOMOS NÓS

EMPREGADO E BANDIDO DENTRO DA TV.

TENHO NOME,

SOU ALGUÉM

COM A COR DA PELE ESCURA NÃO MOLHO ROSÉ.

SEI FALAR.

SEI LUTAR

PELA MINHA NEGRITUDE QUE VOCÊ NÃO VÊ.

DIA VAI,

DIA VEM,

E O NEGRO CONTINUA SEM APARECER.

INVISÍVEIS SOMOS NÓS

EMPREGADO E BANDIDO DENTRO DA TV.

INTERVALO

CB – O problema dos pretos é que eles mesmos se excluem. É preciso eles se valorizarem, terem alma de branco, limpa, clara.

CN – Será mesmo? Qual é a cor da maioria dos médicos, juízes, prefeitos, governadores, presidentes. Quantos são negros?

CB – De repente eles não estão a fim.

CN – Somos a metade da população do Brasil, e somos tratados como minoria.

MC – Senhores, deixem de discussão. Afinal, este país é uma democracia, um paraíso onde todos podem falar o que quiser... (fala baixinho) contanto que não incomode quem manda no pedaço.

CENA III

MÚSICA IDENTIDADE, DE JORGE ARAGÃO

Elevador de um prédio de alta renda. Uma Senhora Negra espera; e, então, chega uma Mulher branca com sua filhinha galega. A Senhora Negra, de cabelos encaracolados, olha de cima a baixo, com desdém para as duas, e diz:

SaNL – Ora, vocês não sabem ler?! Este elevador é social, para moradores. O de serviço é esse ao lado.

A Menina Branca responde:

MaBR - Mas, esse daí quebrado. Diz na placa.

SaNL – Ah! A branquinha sabe ler, que bom. Então sigam aquela seta, onde diz: ESCADA.

A mãe, logo, mete-se.

SaBR – Ei! Senhora, nós somos moradores.

SaNL – Com certeza... Devem morar em um cubículo de empregada. Vocês não têm categoria para morar aqui.

SaBR – Olhe aqui!... (aponta o dedo para a outra).

Entra o Zelador Branco:

ZB – Ei! Não aponte o dedo para a Madame.

SaNL – Senhor Zelador, esta macaca branca diz que mora aqui.

ZB – Não sei se mora, mas se não for pela escada, eu chamo a polícia.

A criança começa a chorar. A mãe, em desespero, tenta consolá-la:

SaBR- É, minha filha, a gente branco não vale nada nesse país, mesmo.

INTERVALO

CB - As pessoas de cor têm de se cuidar, melhorar a aparência.

CN – Não! É preciso assumir o que se é, e não o que os outros querem que seja.

CB – Ora, o próprio negro é que se discrimina.

CN – Onde já se viu? Quem é louco para criar racismo contra si mesmo? A pessoa que não se assume negra inventou isso ou aprendeu com a sociedade?

CENA IV

Entra uma Menina Branca Pobre, de cabelos lisos, e sua mãe, uma Senhora Branca de cabelo Pixaim.

SBP – Que imundície de cabelo ruim o dessa menina, não dá pra fazer uma trança, até broche cai. Não sei pra quem tu puxaste!

A Menina chora.

MaBP – Mãe! Eu queria ter cabelo de Negra. Ah!

Entra o Propagandista.

P - AHHHAÁ! Enrolaife é a solução!

Mãe e filha ficam surpresas.

SBP e MBP – Como?!

P – Ora, esse é o mais moderno produto de estética, beleza e boniteza capilar, que faz até cabelo de careca enrolar.

SBP – Não conheço.

P – Pois, é verdade. Não é milagre, é Enrolaife, o xampu que faz seu pêlo virar Black Power.

SBP – Ah! Me dá, me dá logo três pra garantir. Agora eu resolvo o problema desse macarrão escorrido na cabeça dessa menina.

GOSPEL

SE VOCÊ PENSA

QUE NEGRO PRECISA ANDAR SAMBANDO

CHEIO DE ENFEITE, ROUPA COLORIDA,

QUE SE NÃO ANDAR ASSIM

ESTÁ QUERENDO SER BRANCO...

ISSO É RACISMO, IRMÃO!

SE VOCÊ PENSA

QUE NEGRO É SEMPRE SUSPEITO

QUE ROUPA BOA ADIANTA NÃO.

NÃO É SÓ FALTA DE RESPEITO,

É RACISMO, IRMÃO.

MESMO QUE VOCÊ NÃO SAIBA,

RACISTA NÃO ANDA COM CRACHÁ NA CARA.

RACISMO NÃO ESCOLHE CLASSE, FORMAÇÃO OU IDADE,

ELE ADOECE O CORAÇÃO HUMANO.

CENA V

Entra um Menino Branco, posiciona-se em meio à confusão de passageiros, entre arrancos e freadas bruscas do motorista.

MoB - Ô, Motora! Manera aí! Senhoras e Senhores passagero, bom dia, peço um minuto de sua atenção. Eu tô aqui pedindo uma força pro meu trabalho. Eu não tenho vergonha, por que eu prefiro trabalhar do que tá por aí cherando cola, robando, né. Eu tô vendendo esses bombom sabor andiroba, alho e copaíba. É remédio natural. Custa apenas somente cinqüenta centavos, ou dois por um vale. Vocês pode leva também pras criançada em casa. Eu vivo com minha mãe deficiente e mais doze irmão. Aquelas pessoa que pudere me ajudar, Deus lhe proteja. Quem não pudé contribuir, Deus lhe dê em dobro, viu. Um bom dia a todos e uma boa viaje.

O menino não consegue vender, então insiste.

- Compra aí, tio. Dois por um real ou um vale. Compra, tia, só pra me ajudá. Branco também tem fome, tia.

As pessoas viram o rosto, ignoram ou desprezam friamente o menino.

Dois Passageiros Negros, um deles comenta:

PN I – Devia ser proibido esses moleques brancos entrarem no ônibus. Nunca se sabe, pode ser até bandido..

PN II –São todos uns preguiçosos. Gente dessa cor não quer estudar, nem emprego sério, se acostuma na miséria.

De repente, o segundo passageiro se despede do primeiro e desce do ônibus. O menino faz menção de sentar ao lado desse passageiro, ao que este reage dizendo:

PN I – Ei! Menino branco, o que é que você faz aqui?

MoB - Vou sentar.

PN I – Aqui, mesmo, não. Vai roubar outro pra lá, seu fedorento!

MoB – Eu tô trabalhando, moço.

PN I – Branco não senta do meu lado, vai pra lá com esse teu nariz afilado, venta de flecha.

MoB – Qué isso?

PN I – Sai pra lá.

MoB – O senhor é racista!

PN I – Racista, não. Olha que eu te processo por calúnia.

MoB – Então, me respeite.

PN I – Ora, seu moleque. O problema de gente da tua laia é que não quer estudar. Meu preconceito é com essa tua classe desclassificada. Se for branquelo, pra mim tanto faz!

Os dois saem discutindo.

MÚSICA MISÉRIA S.A.,O RAPPA

INTERVALO

CB – O negócio é embranquecer, melhorar o sangue. Só assim a sociedade vai melhorar.

CN – Tornar-se negro é reconhecer e ter orgulho de sua origem e cultura africana.

CENA VI

MÚSICA HOW DO SPEAK, DE ETTA JAMES

Um casal de namorados em momento de ternura no passeio público, de mãos dadas. Enquanto isso, um mendigo levanta-se e observa o casal, uma negra e um branco, e comenta com o público.

M – Branquelo transparente se deu bem, hein?! Arranjou uma moça linda pra namorar. É... Mas, aí tem. Com certeza, ou ele tem grana, ou fez feitiço pra ela ou ela é cega. Uma mulher dessa, de boa aparência, boa pessoa, namorando um elemento desse. Ah, se fosse minha filha...

Entra o pai da moça negra.

PN – Minha filha, que vergonha. Afasta-te dessa coisa feia, desse branco sujo.

MÇN – Mas, Pai, eu...

PN – Cala a boca! Não estou dizendo! Escuta bem: filha minha não namora com malandro.

RB – Mas, eu trabalho, Doutor.

PN – Que trabalha! Gente da tua cor só serve para limpar chão e morar na cadeia.

MÇN – Papai!

PN – Vamos para casa. Não a quero conversando com esse.. esse...sem cor... esse bacalhau!

A expressão do rapaz é desoladora. Ele se queda tão chocado que não consegue chorar, apenas fica de olhos vidrados e sai cambaleante.

Entra o propagandista e lhe anima, convidando-o a comprar, e o leva para fora de cena:

P –Tudo isto é fácil de resolver. A linha Enrolaife trouxe para você o mais fabuloso enegrecedor. Você dorme pálido e acorda de cor.

INTERVALO

CB – Viram isto? Ora, senhoras e senhores, é a prova de que nossa sociedade é justa e igualitária. Não precisa desse negócio de cotas, é besteira. Até eu, que sou branco puro, me misturo com as neguinhas de vez em quando.

CN – Somos diferentes na beleza e na cultura. A sociedade racista nos trata diferente (pior), como se não fôssemos gente. Por isso, é preciso leis que combatam a desigualdade, equilibrem a balança social.

RAP

QUANDO

VOCÊ NÃO SENTA AO LADO DE NEGRO NO ÔNIBUS.

QUANDO

VOCÊ REPETE QUE GOSTA DE PRETO,

QUANDO PRETO É BONITO,

E A EMPREGADA PRETA LHE AGRADA.

É RACISMO, MANO! É RACISMO, MANO!

QUANDO

CÊ TEM VERGONHA DE SE DIZER PRETO,

É MORENO, MESTIÇO, CAFÉ COM LEITE, MULATO

JAMBO, PARDO VOCÊ QUER SER.

QUANDO

CHAPA O CABELO POR VERGONHA E NÃO VAIDADE,

E QUER SEU FILHO CASADO COM BRANCO,

LOIRA BONITA QUE LHE DÊ KNOW HOW,

É RACISMO, MANO,

SUICÍDIO MORAL!

É RACISMO, MANO! É RACISMO!

CENA VII

Menina Branca limpa o chão da casa. De repente, pára e exibe seu pixaim, orgulhosa.

MaB – Sou uma nova pessoa, Enrolaife mudou a minha vida. Sou quase uma negra pura. Ah! Como eu queria ter a pele preta, aquele lindo brilho nos olhos e o sorriso alvo. Por que será que Deus me castigou com essa pele desbotada, opaca, sem vida.

Mas, com Enrolaife, ao menos meus cabelos se ajeitaram, e eu tenho mais orgulho de mim mesma. Se eu tivesse grana, casava com um negro ma-ra-vi-lho-so.

A menina continua a limpeza. Entra o Senhor Negro.

SrN – Ei, menina, você não está limpando direito esse piso. Que imundície! Mas, (a pega pelo braço e olha a pele dela) Ah! Claro! Tinha de ser. Logo vi que era serviço de branco.

MaB – Mas, seu minino, dá até pra ajeitar os cachos no espelho que tá esse chão.

SrN – Vocês, brancos, não se ajeitam mesmo, quando não sujam na entrada...

MaB – Não seu minino,meu irmão vai é ser doutor, tá istudando.

SrN – Rá! Rá! Com certeza. Escuta, ô, mocinha, lugar de branco é na favela e no sanitário. Teu irmão tem que aprender o lugar dele.

Chega a Senhora Negra de cabelos lisos, esposa desse Senhor.

SaNL – Querido! Não se misture com essa gente! Gente assim só enegrece quando tem talento pra cantar, jogar futebol, ser atleta. Alguns brancos merecem viver no nosso mundo, são vencedores, são bonitos, são exceção.

MaB – Vocês são é racista.

SaNL – Não diga besteira, minha filha. Se há discriminação é social. Existem pessoas por aí (nós, não, claro, somos humildes), existem pessoas por aí que tratam mal os pobres. Os pobres, coitados, são desprezados. Não tem nada a ver com brancura.

SAMBA

ALMA NÃO TEM COR

POR QUE EU SOU NEGRO

ALMA NÃO TEM COR

POR QUE EU SOU BRANCO.

EU SOU AMARELO

DE PELE VERMELHA.

MAS, IGUAL A VOCÊ

EU TENHO ALMA NEGRA.

EU SOU AMARELO

DE PELE ROSÉ

MAS TENHO ALMA BRANCA

IGUAL A VOCÊ

EU SOU AMARELO,

DE PELE ESCURA,

MAS TENHO ALMA ÍNDIA

TIPO A SUA.

E SINTO DOR, E SINTO DOR,

SORRIO E SOFRO.

ALMA NÃO TEM COR, NÃO TEM COR.

SOMOS O POVO.

CENA VIII

Amigos Negros reunidos num bar.

A1 – Tu sabes a diferença entre um branco e um rato? O rato tem inteligência.

A2 – Essa é boa. E tu sabes o que acontece se a gente jogar um branco de cima de um prédio?

A3 – Ele morre?

A2 – Não. Se cair no chão é leite azedo, se voar é PEIDO.

A1 – Beleza! Rá! Rá! Rá!

A3 – Só sei que negro correndo é atleta e branco correndo é comédia.

A1 – Rá! Isso aí. Vi um branco correndo, é um monte de carne mole.

A3 – Eu gosto de branco, principalmente com cebola e batata.

A2 – Ei! Ó os homens aí.

O camburão estaciona. Descem os policiais, salivando para humilhar alguém. Vão direto ao grupo de brancos. Enquanto isso, os amigos negros observam e riem.

P1 – Vocês aí! Ô pivete, documento!

RB1 – Mas, não são nem dez da noite.

P1 – Tá me desafiando. Moleque? Cadê a identidade?

P2 – É isso aí! Respeito, malandro. Todo mundo no chão!

RB2 – Ei! A gente trabalha, viu. Por que não revista aqueles boyzinhos ali?

P2 – Cala a boca, brancalhada! Vamo lá, todo mundo recolhido!

Gritaria geral. Mas, não há como resistir, os policiais estão armados, e, facilmente, amarram com cordas os rapazes e os empurram para dentro do camburão.

A cena congela.

EPÍLOGO

CN - Isto que vocês acabaram de assistir é uma farsa? Os lugares estão errados? Eu respondo!

Tudo isso acontece diferente. Esse mundo o negro vê. Mas, no lugar do branco está ele. E muita gente acha comum, engraçado, normal.

Agora, quando o branco fica no lugar do negro, as pessoas talvez achem estranho, chocante, sem sentido.

Ei, negro! Ponha-se no seu lugar!

É isso o que diz o racista, achando que é justo.

E eu, agora, digo: Ei, branco, ponha-se no meu lugar! E você vai ver como é ter na pele, no cabelo, em todo o teu ser... A marca que te faz ser visto como o diferente, o esquisito, o inferior.

Então, pense no que acabou de ver. E, ponha-se no meu lugar.

Ponha-se no meu lugar! E me diga:

Isso é racismo? Isso é racismo?

TEMPO PARA A PLATÉIA

E, lembre-se, negro não é coitado, é injustiçado.

VOLTA A MÚSICA IDENTIDADE


16 comentários:

Pikenaáh ~ disse...

- adoreei. posso encenaar? /)

luana disse...

adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

EDUCAÇÃO FÍSICA disse...

Adorei, posso ensenar essa peça com os meus alunos no dia da Consciência Negra da minha escola?
Achei a peça ótima!

o Céu disse...

A peça é realmente fantástica! posso encenar?

o Céu disse...

A peça é realmente fantástica! posso encenar?

Rejinha disse...

Essa peça é ótima e eu vou encenar ela no colégio!Eu adoreii

s&t disse...

adorei...
tem um projeto na escola esse mes.
posso usar a peça???? ;)

mister.m carlos disse...

ola colegas meu nome é luciano sou monitor do projeto federal mais educação e queria pedir autorização de poder trabalhar esse texto e quem sabe encenar essa peça em minha escola todo fim de ano nos apresentamos o trabalho realizado durante o ano todo trabalhado e queria poder apresentar esse texto se puder me diga pois adorei o texto desde de ja eu agradeço. meu imal é luciano19711@hotmail.com

Cleudo Oliveira disse...

Adorei, posso ensenar essa peça com os meus alunos no dia da Consciência Negra da minha escola?
Achei a peça ótima!

Ricardo Torres disse...

A todos. Podem encenar. Fico feliz que vcs tenham essa iniciativa.


Ass. Professor Ricardo Torres

GRUPO MONTURO disse...

Qualquer dúvida entrem em contato:

91 88216161

Pró Emília disse...

Massa! Seria um pecado não encenar essa peça na escola.
PERFEITO!!!

GRUPO MONTURO disse...

É muito bom saber de tantas boas iniciativas. O objetivo sempre foi compartilhar e combater e essa doença moral chamada racismo. Por favor, enviem para nós suas experiências com o texto para ric-torres@hotmail.com.
Grande abraço.

Guilherme Fernandes disse...

Gostei muito. Realmente, essa peça é bastante legal. Sou aluno, e tenho que fazer uma peça de teatro para minha escola ou apresentar alguma. Eu fiz uma só que não sei se seraaceita, então também levarei essa, que por sinal é ótima. Obrigado mesmo. Deus os abençoe

williane ribeiro disse...

adorei posso encenar na escola...

marcone disse...

Ótimo. Já q permitiu minha escola irá encenar. Obg!!